Águia d’asa ferida, fundeio o mundo em limos num açude profundo
e prossigo na política da terra queimada se, sob as cinzas
quentes dum passado, rebusco ainda, de ti, a Fénix esmaecida e renascendo sempre!